07 janeiro 2005

É com o silêncio

É com o silêncio que as mulheres tecem
As roupas do mundo.
o fuso e a roca eram só instrumentos
(uma quase justiifcação)


As vestes são tecidas com o silêncio
com o sangue dos olhos
com as lágrimas dos dedos.


Com o silêncio e no silêncio as mulheres tecem
longas vestes
enormes tapetes e carpetes
belas e luxuriantes cortinas.


Com tudo o que tece, silenciosamente,
a mulher do mundo tenta tapar
os buracos
tenta estancar o sangue
que corre copiosamente.

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

Hoje dedico este meu poema a todas as vítimas das catástrofes. As naturais e as causadas pelo homem, em guerras.
(Do livro:AS TAREFAS TRANSPARENTES: 52)


7 comentários:

Seila disse...

Bem hajas! e o poema é lindo! Um abraço, TMara!

TMara disse...

SELA - k bom teres vindo visitar-me. Pena n/ ter biscoitos fresquinhos na altura....Bjs e ;)

Fabi disse...

"Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas"... já cantou o grande músico e compositor brasileiro.
Beijos.

Blue C. disse...

Passei para deixar um beijinho. Vou ter uma consulta com a tua filhota na proxima semana. Beijinho

Lana disse...

Que bela dedicatória

contadordehistorias disse...

Fico mudo e devolvo-te apenas silêncio...


beijos

TMara disse...

FABI - exacto. Tem sido sobre a força (silenciosa e silenciada) das mulheres k o mundo se tem alicerçado. Bks e ;)


BLUE C: - K bom. Dá-lhe o abraço k a distãncia me n/ permite. Muita luz para ambas.;)

LNA - obnrigadda kerida. Bjs e ;)

CoNtAdOrdeHiSTórIaS - espera lá! mas...emudeceste se susto???? Bjs e ;))