09 outubro 2005

Conhecem?



Os paraísos artificiais
*
Na minha terra, não há terra, há ruas;
mesmo as colinas são de prédios altos
com renda muito mais alta.
*
Na minha terra, não há árvores nem flores.
As flores, tão escassas, dos jardins mudam ao mês,
e a Câmara tem máquinas especialíssimas para desenraizar as árvores.
*
O cântico das aves — não há cânticos,
mas só canários de 3º andar e papagaios de 5º.
E a música do vento é frio nos pardieiros.
*
Na minha terra, porém, não há pardieiros,
que são todos na Pérsia ou na China,
ou em países inefáveis.
*
A minha terra não é inefável.
A vida na minha terra é que é inefável.
Inefável é o que não pode ser dito.
*
(Jorge de Sena)

8 comentários:

Å®t_Øf_£övë disse...

TMara,
E quem não conhece???
É a tua terra... a minha terra... o nosso país.
Bom domingo.
Bjs.

Lana disse...

eu conheço :P hehe jinho **

Tânia Barros disse...

TMara, terra que em 2006 hei de conehcer. Lindo, lirismo bem pessoal e emocionado.

Daniel Aladiah disse...

Sim...
Um beijo
Daniel

meialua disse...

E é assim o nosso país...

Beijos e boa semana*

Raquel V. disse...

Há dias em que as palavras nos tocam...
Vieram-me as lágrimas aos olhos...

JPD disse...

Escolha admirável.
tanto betão...tanto vazio, tanta coisa que poderia ser evitada e, no entanto, a inversão de tendência parece uma fatalidade inevitável.
O poema do JSena é actualíssimo.
Bjs

Zica Cabral disse...

Eu tenho tanta sorte. Na minha terra (esta onde vivo há 4 anos) há tudo o que não há na desse poema. Há flores, verde, árvores lindas, borregos e ovelhas ao meu lado, passarinhos aos milhares que vêm ao meu jardim alimentar-se diariamente, faisões perdizes patos e texugos no meio da estrada que é preciso esperar pacientemente que se resolvam ir para a berma.
Paraiso terrestre? Quase. É a ILha de Wight em Inglaterra.
Se fores aos meus blogs encontras as fotos desta maravilha
Um abraço
Zica