04 outubro 2005

CÓNICAS DATADAS VI

Posted by Picasa NO CINTILAR DOS DIAS -2002-04-21
“Terror –s.m. (do lat. Terror,-õris).
1.Grande medo,pavor”.
“Terrorismo –s.m. (De terror + suf. -ismo)”


As situações 1 e 2, aqui descritas, são verdadeiras e testemunhadas por pessoas amigas.
A última é pública e bem divulgada nos mídia!

1 _Uma jovem recém licenciada, casou-se.
A despedida de solteira, que queria fazer mas que encontrava sempre mil entraves, acabou por se realizar com o empenho de duas amigas e colegas.


Foi uma despedida de solteira a três vozes. Somente a três vozes.

A da noiva e a das duas amigas que não lhe deixaram esmorecer esse sonho. O jovem casal tinha em construção a futura casa.
Avaliando a divisão do espaço o noivo deixou cair: “preocupa-te com a cozinha e com a copa pois é aí que vais passar o teu tempo. O “canudo” bem o podes meter na gaveta”.
A despedida de solteira foi restrita (eufemismo) porque o noivo não autorizou o alargamento a outras e outros amigos e, na vida pós casamento, tem desenvolvido uma política sistemática de isolamento da mulher.
Todas as amigas constataram que perto do noivo ela ficava constrangida. Mais, tensa. Não era ela própria. Ficava num estado de letargia nervosa aguardando sinais dele que lhe permitissem... respirar, falar, rir.
Já é mãe!
De facto o canudo está na gaveta. Esta jovem é infeliz (diz quem a conhece e observa as suas atitudes e comportamentos) e ainda o não sabe ou pensa poder reverter a situação.


2 _ Uma jovem de 15 anos namora. Um dia tem relações sexuais com o namorado. Um acto que deveria ser de beleza torna-se um pesadelo. O namorado usa-a como uma coisa, mas não uma coisa qualquer: uma coisa sem qualquer valor. Passa a escravizá-la para obter tudo o que quer dela (sexo e dinheiro) não se coibindo, inclusive, de a maltratar fisicamente, sempre que lhe apetece, sob a coacção de: “ ou vens já ou telefono aos teus pais a contar que tivemos sexo”


3 _ Um povo com armamento e tropas super especializadas oprime outro (décadas a fio), o qual só pode manter o seu auto-respeito, não vergando a cabeça, mandando os seus filhos armadilhados para a morte.
Os segundos são terroristas. Os primeiros, que detêm um enorme poderio bélico e destroem tudo à sua passagem, o que são?
Como podemos ver, o terror tem muitas faces e eu não entendo como é que umas podem ser defensáveis.


Para mim, nenhumas o são.

18 comentários:

A.J.Faria disse...

O caso de Israel, é sintomático do caso que referes!
É a hipocrisia do costume!
và aparecendo,
Beijinhos

Ana disse...

Nenhuma forma de terror é defensável seja ela qual for.
Lamentavelmente qualquer uma das situações descritas é mais frequente do que muitas vezes pensamos.Até quando?
Bjs.

Sofia disse...

Poderoso este texto. Os meus mais sinceros parabéns.
Adorei o blog e vou voltar.
Beijos

Al disse...

Será o consentimento uma outra forma de terror, o auto-terrorismo?
Não! O terrorismo só o é pela forma, a causa é outra coisa. E quase sempre, igualmente, terrorista.
Um beijo e parabéns pelo texto fabuloso

Lumife disse...

Crónicas reais e em quantidade superior à calculada. Conheço casos de autêntica subjugação que levam no seu limite à morte antecipada.
A última referência é a desculpa para o domínio, para a tirania, e tudo perante a indiferença de outros povos.

Beijos

Daniel Aladiah disse...

Querida TMara
Tudo muito polémico. Deixo questões que não esgotam os assuntos, mas ajudam a colocá-los com outra perspectiva.
Por que razão a primeira mulher casou, se sabia para o que ia?
Por que razão a segunda cede constantemente, quando pode libertar-se (não digo que seja, neste caso, uma situação fácil, mas é possível)?
Por que razão não se cumprem os acordos que vão sendo feitos? (há facções fundamentalistas que não querem a paz nem a existência de dois países, mas tão somente a destruição de Israel).
E muitas outras perspectivas podem ser equacionadas.
Um beijo
Daniel

Manoel Carlos disse...

O papel da mulher é fundamental numa sociedade; a esposa que se submete à opressão do marido, reproduz a lógica e o comportamento com os filhos; a jovem que se intimida frente à chantagem, por temer a reação do pais, também está submissa; é importante que cada mulher lute para desempenhar um papel ativo na sociedade, em igualdade de condições com o homem, inclusive sem jornada dupla de trabalho.
Os opressores que tudo destróem são os verdadeiros terroristas, os que defendem sua autodeterminação e sua integridade territorial, estes são os mártires da resistência.

hfm disse...

Gostei de ler o teu texto só que nas duas primeiras situações penso que as melhores, no sec. XXI, têm de reagir de forma diferente e de se revoltarem contra o establishment.

gladislsantos disse...

Olá, Tania

Em primeiro lugar, vim retribuir tua visita no Palavra Aberta, é emocionante receber amigos de outras terras.Espero que retornes em breve e não esqueças de dizer de onde és, isto vai ser motivo de orgulho aos nossos alunos, receber visita de tão longe....
Os textos são de alunos de vários estados do país e estamos também trabalhando os temas do programa CONEXÃO XXI, que apesar de ser produzido para TV, estamos disponibilizando também na web Espero teu cometário em nosso videolog também, será uma honra.

http://videolog.tv/conexaoxxi

programas anteriores:

http://videolog.tv/arquivo_conexaoxxi

Adorei teu espaço e passarei sempre por aqui também.

Abraços brasileiros

Gládis L. Santos

cris disse...

é de facto revoltante. mas é denunciando situações assim, ainda q sem expor directamente as vítimas, q se vai mudando alguma coisa.

Bom feriado!

Márcia disse...

com cereza: nehuma face é defensável.

do seu comentário lá em mim: que feriado? deste lado do mar, feriado só dia 12. ;))

beijo.

Mendes Ferreira disse...

olá "Tomaraquesejassempreassim":beijo-te.

lique disse...

Nenhuma é defensável, de facto. As faces do terror são múltiplas, entre o individual e o colectivo. Todas são sinais do que pior existe na humanidade.
Beijos, amiga e bom feriado

Jornalistas Independentes disse...

bons textos...todos sinónimos de maus tratos

Anónimo disse...

É difícil falar destas questões de forma resumida...mas não posso deixar de juntar alguns pontos que me parecem importantes e que podem acrescentar alguma riqueza ao "debate".
Hoje,em muitas comarcas deste país pelo menos cinnquenta por cento dos exames periciais são do âmbito do direito penal e, destes, a maioria são,ao contrário do que muitos pensam,queixas de mulheres por agressões de que são vítimas por parte dos seus companheiros.
Eu não queria falar muito sobre isto,mas parece-me também importante dizer que os filhos são com alguma frequência "batidos"nestas agressões e, são presentes nestes exames periciais,duplamente atingidos,física e psicológicamente...
Recentemente em Lisboa um pai baleou mortalmente a companheira e o filho de oito anos...ela tinha "entrado" com divórcio litigioso!
A vitimização doméstica é um drama mudo, vilentíssimo,mais difícil de analisar do que possa parecer...
a justiça célere a que todos temos direito contitucionalmente é uma miragem...e a demora serve a violência,não tenhamos dúvida!!!
Não posso deixar de testemunhar a minha solidariedade profunda a muitas mulheres que também silenciosamente lutam apesar de toda a vilência física e ou verbal porque as tentam fazer passar!
A força das convicções é de facto das maiores que pode haver e,que grandes lições de vida!que gente enorme!
...as histórias que não se contam e que não fazem notícia mas que calam fundo naqueles que as vão ...vendo!Termino...
um abraço imenso!
maria

Maria do Céu Costa disse...

Tmara, para mim também não. Boa esta postagem, atenta a realidades. Beijinhos.

ferrus disse...

TMara...os meus sinceros parabéns!!! Pelo modo excelente como escreveste esse teu grito de revolta, ao qual junto o meu!!! Que essas e outras injustiças sejam abolidas!!! Bjitos

LUA DE LOBOS disse...

a primeira mulher foi treinada(domesticada) por pais( mãe) que também foi assim toda a vida.
a segunda jovem foi vitima de falta de dialogo com os pais.a terceira historia é o retrato de humanidade em que nada evoluiu, só os nomes.