10 junho 2005

No início o silêncio

Hoje quero partilhar com todos os que por aqui passarem, não só com os que abriram os comentários do passado dia 08, um belo texto que Batista Filho teve a gentileza de nos ofertar.
Agradece-me ele o post desse dia desta magnífica forma:

hamidouche13ImperishableScumsOfShadesByLayachiHamidouche.jpg


«(...)tocaste num assunto, que desde há muito me intriga e fascina.
Continua lá, no Evangelho de João: “No princípio era o Verbo,
e o Verbo estava com Deus, e o verbo era Deus”.
Quando dizes que ficavas/ficas encantada com essa
primeira frase, que te parecia/parece “... uma fórmula ritual mágica”,
lembro de uma tentativa de externar o que me vem do mais íntimo,
sobre tal assunto:

No início, o silêncio,
um imenso vazio, sem poesia.

Sentia falta... só não sabia do quê, ou de quem.
Como menino perdido, sem pai nem mãe, gritou sua solidão.

O som da própria voz o deixou confuso, pois o eco não o satisfez.
Na sua oficina tratou de modelar o mundo: céu e terra, inda um grande vazio.

Em meio à escuridão, chorou... e suas lágrimas inundaram a terra.
Cego de dor, implorou a si mesmo: – luz! por favor, preciso de luz.

Nesse instante de êxtase, pura magia, nasceu a primeira alvorada,
da primeira manhã, do primeiro dia, após a noite, que parecia não ter fim.

E no silêncio da manhã recém-nascida nasceu o primeiro verso do poema, que perdura até os dias de hoje. (...)»


Sou eu quem, hoje, assim lhe agradece.

14 comentários:

sylpha disse...

Nem sei como comentar...senti-me tão pequenina perante a grandeza de tais palavras. Beijo grande

Pecola disse...

:) que bem :)

Vera Cymbron disse...

No inicio e no fim de te ler...silêncio. Vim agradecer-te as palavras deixadas no meu canto. A idade no fundo é apenas um dado da vida o que comporta a vivência a que é importante. Não te preocupes com o saber da dor, a minha dor é das mais pequenas do mundo...
Jinhos grandes.

Iluvatar disse...

O silêncio apoderou-se de mim... como se diz? Fiquei colado, demasiado colado às palavras... bebi-as sem dúvida, suguei-lhes todo o tutano... 'tá fantástico.
Obrigado pelo conselho no blog:)
Pedro

Menina_marota disse...

Fiquei presa nestas palavras! E em todo o seu significado...

"...Nesse instante de êxtase, pura magia, nasceu a primeira alvorada,
da primeira manhã, do primeiro dia, após a noite, que parecia não ter fim...."


Um abraço terno e bom fim de semana

Mendes Ferreira disse...

b
o
m

d
i
a

que já é tarde.:)

Daniel Aladiah disse...

Querida TMara
Lindíssimo...
Um beijo
Daniel

Lana disse...

/me suspira... :)

Mitsou disse...

Eu não comento. Digo apenas o que costumo dizer nestes casos: Obrigada. Aos dois. Beijo grande.

batista filho disse...

Fiquei feliz pelos comentários: muito, muito! Um abraço fraterno, grande o suficiente para envolvê-los, independente da distância, pois um oceano nos separa!

TMara, quanta generosidade! Que Deus, como o concebas, continue a te iluminar.

H. disse...

o poema é lindo :)

H. disse...

Obrigada pelas visitas, pelas palavras... :)

TMara disse...

desculpem toods os outros/as - repondo só aBatoista Filho dado ele não ter blog.
não há espaço/distância para abraços dados com o coração e o pensamento.bom f.s para toda a família. bj e :)

Anónimo disse...

What a great site
» »