26 junho 2005

Este lento vaguear por vossas casas(...)

Este lento vaguear por vossas casas
(...) entrou na minha rotina e tenho saudades de vos visitar e ler.
Visitas umas vezes com tempo, ficando, degustando...Outras vezes mais rápidas só quase um: "olá! está tudo bem".
Continuo sem acesso à internet.
De momento estou em alheia casa e só por uns minutos para deixar um post e saudações.
Neste domingo ofereço-vos um belo poema de amor.

SONETO DO AMOR TOTAL

(Vinicius de Morais)

Amo-te tanto, meu amor...não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo, de repente
Hei-de morrer de amar mais do que pude.


23 comentários:

Daniel Aladiah disse...

Querida TMara
Amor total numa fidelidade sem limites a quem nos preenche estes momentos de solidão.
Um beijo
Daniel

Humbertothewizard disse...

TMara o amor nas suas múltiplas formas e nos seus variados conceitos tem o condão em aproximar as pessoas e de despertar nelas, o sentimento que elas possuem de mais enternecedor e extremoso. É curioso observar que quando amamos alguêm, como que instintivamente num sentimento que nada tem de instintivo, procuramos dar ao outro o nosso melhor pensar e sentir, com uma imagem de bondade, doçura, carinho e ternura na tentativa de cativar quem não queremos que se vá embora. É pena que muitas pessoas que se unem em matrimónio ou simples amizade, não saibam ou não pretendam reconhecer e manter a chama acesa dessa voz do coração de cada um deles, e eu com muito lamento verifico, nalgumas pessoas, a invasão do ódio, no território que já foi do amor. TMara é sempre com muito carinho e franca amizade que venho visitar o seu canto. Sou um Anjo caído, rendido à imensa sabedoria e solidariedade das suas palavras.

Daniel Aladiah disse...

Estás convidada...

Menina_marota disse...

"...Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante."

O amor quando se transforma em saudade, dói mais...

Passei para ler-te e deixo um abraço e o começo de uma óptima semana:)

Ana disse...

TMara , gosto de te abrir a porta da minha encosta, e quando chegas sinto que me visita uma amiga. Vem sempre que quiseres, mesmo que sem tempo para deixares rasto da tua passagem.
O poema que hoje nos ofereces, é dos mais bonitos do Vinicius.É assim o amor total... numa sempre diversa realidade... com grande liberdade... dentro da eternidade e a cada instante.
Um beijo e saudades , de ti e do Porto.

H. disse...

que hino ao amor fantástico. mto mto belo! :)

sylpha disse...

Uma excelente escolha :))
Aproveito desde já para te agradecer as visitas que sempre me fazes...mesmo com pouco tempo, marcas sempre a tua presença. Um beijo enorme :))

O Micróbio disse...

Vinicius é sempre bom... :-)

Espectro #999 disse...

   †   TMara, seguindo o raciocínio do Humbertothewizard   †   ocorreu-me deixar por aqui   †   algumas cruzes como simbologia   †   de todos esses amores perdidos no tempo.   †   Este post está muito intimista.   †   Espero que ultrapasses bem depressa os problemas com a Net.   †

   ¦•¦ Beijocas e inté ¦•¦

Pescador disse...

Lindo este poema, embora e para dizer verdade assim o são todos os poemas de Vinicius de Morais !!
E concordo contigo.. é uma rotina que nos envolve e como o faz de forma doce é dificil fugir dela... resistir as espreitadelas, ao comentários ....
Bjs doces
Pescador

mfc disse...

O tema do amor é sempre lindo, mas quando dito por um génio como Vinicius... torna-se fogo!

Amaral disse...

Obrigado pelo poema e pena pela ausência forçada! Deste lado, também tenho problemas de acesso; parece que isto se propaga. Devagar, serenamente, vamos dando umas voltinhas, agora aqui, depois acolá…

Fabi disse...

Querida TMara

não demores... vc faz falta.
Ainda que não assine minhas passagens, estou sempre a te visitar.

Beijos

Lana disse...

Gostei do poema...embora ache k o fim, os 2 ultimos versos são os mais fortes... ***

contadordehistorias disse...

O amor será a morte de todos os príncipios...


beijos

Micas disse...

O amor, o amor...e como Vinicius o soube dizer... Espero que resolvas rapidamente os problemas com a net. Beijinhos

BlueShell disse...

ADOREI!
Uma escolha de "mestre".
…estou a fazer um intervalo, hehheh
Jinho, BShell

lique disse...

Vinicius, sempre um prazer! Tu sabes que serás bem vinda sempre que apareceres. E este vaguear, ainda que agradável, toma também muito tempo. :) beijinhos

agua_quente disse...

Sabes que gostamos sempre de te ver lá na paisagem... e de ler Vinicius. :) Beijos

titas disse...

Que bom poder voltar a ler-te! Só espero que resolvas depressa os problemas da rede.
//(~_~)\\ um beijo a transbordar de saudades da Titas

JPD disse...

Olá Tmara

Aconteceu-me o mesmo recentemente e compreendo prefeitamente essa tua situação: estar na aldeia sem poder ir ao Largo é tremendo.
Bjs

Vera Cymbron disse...

Nós também temos saudades tuas...muitas mesmo. Vê se voltas logo!
Jinhos, espero que estejas bem.

sombr|A|rredia disse...

Vinícios...tão belo quanto ele só, soube ser ;)