11 junho 2005

Celestino Fradique Brocks - um cidadão exemplar!

CELESTINO FRADIQUE BROCKS, um cidadão exemplar!

Toda a minha vida está bem organizada.
Como engrenagem bem oleada, o dia a dia flúi. Nada é deixado ao acaso.
Sou dono dos meus dias e de minha vida em cada momento. Nunca qualquer aspecto desta me surpreende, me deixa expectante ou frustrado. Até de minhas emoções estou no comando.
Sou senhor absoluto do meu tempo e da vida.
Chamo-me Celestino Fradique Brocks, tenho quarenta e dois anos e sou economista de profissão.
Solteiro militante. As mulheres entram e saem de minha vida quando necessário, quando determino. Sem lhes dar tempo a que se tornem fastidiosas e dominadoras como é de natureza nos seres frágeis e inseguros.
Tenho familiares mas vivemos de forma muito autónoma.
Como não admito ingerências as nossas relações atém-se ao socialmente correcto entre pessoas com vínculos semelhantes aos nossos.

Sempre soube interpretar bem os usos e costumes, o socialmente correcto, e viver dentro destas normas, até porque o seu uso e manutenção acaba por proteger o meu estilo e modo de vida, dando-me a quietude que desejo.

No emprego dou-me com todos os colegas, mas evito o contacto estrito e pessoal fora deste espaço.
Participo em todos os jantares e festividades da empresa, sempre entro na recolha de fundos para aquisição de prendinhas: quando nasce uma criança, alguém se reforma ou muda de emprego e até nas situações de morte sou correcto mesmo que nada de particular me ligasse aos finados. A minha coroa de flores, acompanhada de um bom cartão, nunca falta.

Nos convívios tenho sempre um stock novo de uma dúzia de anedotas e assim surjo como um dos grandes animadores; preparo-me, é óbvio, para tais eventos, chegando ao extremo (para alguns) de memorizar umas quantas citações de gente ilustre adaptadas a cada uma das ocasiões.
Tenho assim fama de sociável e bom companheiro, bem disposto e inteligente.

Os meus dias, a minha vida, obedece a rotinas pré-definidas, em função dos objectivos que procuro alcançar. Guio-me sempre pelo princípio organizativo de “trabalhar por objectivos”.

Por TMara

11 comentários:

Raquel V. disse...

A engrenagem perfeita... totalmente oleada e sem sonhos...
A frieza belíssimamente descrita e escrita, a vontade de ser assim - que por vezes tenho - e a noção de como isso pode ser horrendo - depois de o ler escrito por ti...

Gostei muito do "movimento" do texto, do não ter tido vontade de saltar uma linha... :)

Voltarei para ler mais do teu blog :) Sem dúvida!

Mendes Ferreira disse...

beijo.Podes roubar o que te der prazer...fico contente e pasme-se...agradeço.:)-
B
F
Semana. com toda a música.beijo.

Pecola disse...

:) bom fim de semana, TMara! =o)

Menina_marota disse...

Passei para ler-te e desejar um bom fim de semana.

Belo texto.

Abraço ;-)

Carlos Galveias disse...

Boas... o pessoal da Orgia Politica gostava de a convidar a elaborar um texto para ser publicado no nosso dia do autor convidado.

Que tal aceitar a nossa proposta?

Pode enviar o texto (ou contactar-me) para carlos@galveias.com

http://www.orgiapolitica.blogspot.com/

Bom fim-de-semana

Carlos Galveias

BlueShell disse...

Bem....não posso dizer exactamente o mesmo...mas gostei de saber...

Tudo de bom, BShell

Humbertothewizard disse...

Esta é a história de um homem que procura dentro da sua esfera egocêntrica, onde parece que tudo gira à volta da sua pessoa, ser perfeito. Alguêm que julga que a ponta da sua felicidade parte do seu próprio umbigo, e que as outras pessoas não passam de uns meros transeuntes sem alma que com eles se cruzam infelizmente para ele, que só o podem tocar se o seu orgulho inferior assim o determinar. Já perguntaram porventura se esse coração de pedra possui alguma luz sentimental? Esta é tambem a vida gélida e vidrada de um homem vítima da sua própria personalidade que nunca se encontará bem consigo próprio nem com os outros, e se afundará certamente, sem ressentimentos, no abismo da sua própria insignificância, solitário sem destino.

Å®t_Øf_£övë disse...

Será que é a esse tipo de postura que se chama de socialmente correcto?
Será que devemos ser todos assim?
Ou simplesmente procurarmos ser nós próprios?
Boa semana.

batista filho disse...

Por egoísmo e medo, basicamente, isolamo-nos uns dos outros, apesar de vivermos sob o mesmo sol. E numa sociedade que supervaloriza a aparência e o “ter”, sufocamos a nossa própria humanidade. É uma pena.
Felizmente, textos como o que nos brindas, faz-nos refletir... e se à partir dessa reflexão, lutarmos contra tal estado de coisas no nosso microcosmo, certamente isso acarretará uma diferença fantástica!
Um abraço fraterno.

TMara disse...

Blueshell - deixaste-me totalmente confsacom este teu coment!O k n/ podes dizer e o k gostaste de saber?
Bj e :)

BlueShell disse...

Ah...eu explico: gostei de saber que o Sr. "Celestino" tem esa conduta de vida, tem essa estabilidade toda...a nível pessoal e profissional...
Só isso....gostei de saber. Mas parece perfeito demais...parece mais um "ideal a perseguir"...pois na vida real...duvido que exista alguém assim.

Beijo (ainda ensonado)terno
BShell