11 dezembro 2011

Para o Presidente da República Portuguesa, Cavaco Silva

Legendei como: portuguêsmente

Para o Presidente da República Portuguesa, Cavaco Silva
aqui deixo, chegada do Brasil e com autorização do autor, esta bela reflexão, em forma de soneto, contra a arrogância de quem pensa que tudo sabe e nunca erra.
O P.R já ­­­o afirmou alto e em bom som para o país mas, porque mesmo muito sabendo o ignorado é incomensuravelmente maior e o erro condição de aprendizagem aqui o deixo, na esperança de que lhe sirva para alguma coisa bem como a muitos outros que nos desgovernam.

Penitente
Herculano Alencar

O erro é a mão do aprendizado.
Erremos, pois, com douta inteligência,
pra que tenhamos plena consciência
de quanto um ser humano é limitado.

Só se é sábio quando, ao ter errado,
recompõe-se do erro a obra feita.
Pois que a criação é imperfeita
e mesmo a perfeição tem seu pecado.

Quem nunca errou, não sabe se aprendeu.
É cego, e surdo, e mudo como eu
e outros literatos desvalidos.

Há de escrever na lápide vazia
a página final da poesia
de um livro que jamais há de ser lido.*



*O poema foi escrito noutro contexto.  Achei que "cabia como uma luva" pelo que pedi autorização para o fazer.
************
e porque há pensamentos e reflexões que merecem maior visibilidade aqui deixo um comentário que a Titas deixou na postagem intitulada contra a indiferença «talvez assim o bom povo português acorde, e reflicta sobre a mensagem 'elogiosa' dum tal sr. Jürgen Kröger, representante da Comissão Europeia na troika,os tais funcionários de 5ª ou 7ª linha, a saber: «Portugal não é a Grécia: há estabilidade e as pessoas são boas». Percebemos a mensagem: as pessoas más (e os países maus) manifestam-se, as pessoas boas (e os países bons) deixam-se espoliar.

Constituição da República Portuguesa Artigo 21.º
Direito de resistência

Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.

1 comentário:

Aníbal Raposo disse...

Aplica-se ao homem na perfeição.