29 setembro 2005

QUADRILHA (Carlos Drummond de Andrade)



João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia.
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história
.

19 comentários:

maresia_mar disse...

Olá, quero agradecer a tua visita.. Voltarei aqui concerteza.. Um bom dia e bjhs

batista filho disse...

... é a vida, com suas contradições, entrando à toda nesse poema de Drummond.
Beijoca, amiga.

Mendes Ferreira disse...

bom dia docura.....bjo. de dentro.

Amaral disse...

Parece uma contradição. Mas faz-nos pensar, com ternura e emoção, que o trabalho da criação é algo delicioso e sublime. Criar, criar, criar - coisas novas e sempre diferentes - deve ser uma "loucura divina"...

Cakau disse...

E não é, afinal, o que acontece na vida real? :p

Beijos *

tânia Barros disse...

Amo Drummond, que é impossível não ser amado, que amava a poesia, que amava os poetas, que amavam a vida... Beijos!

romero disse...

Un grande poeta brazileño lleno de pasion por que escribia.
Una contradicion con ese "juego" que es la vida:)
Encantador !

Besito

mfc disse...

E ouvir isto e outros poemas declamados pelo João Villaret??!
É um sonho...

isa xana disse...

'e tao bom reler este texto.. como a vida 'e

*

eduardo disse...

Ora viste!!!
Ainda há histórias com personagens que só conhecemos no fim, hehe...

(afinal, o que é que está escangalhado no blog, rapariga?)

Vera Cymbron disse...

Sim senhora, gostei do novo look.
Falta ainda acertares melhor estes links...se quiseres ajuda "apita".
Jinhos

LUA DE LOBOS disse...

Minha querida
agradeço que me envies o teu NIB bancário pq acho que não estou a conseguir que emails meus cheguem ao destino
xi
maria
de pé partido e sem poder ir ao correio ::))

contadordehistorias disse...

e no fundo ninguém sabia o seu próprio principio...

beijos

lique disse...

Os desencontros da vida tão bem descritos por Drummond de Andrade!
Beijinhos, amiga.

manuel disse...

Um conto que estou contando (pretensão minha) "há-de meter" mais tarde um jogo de quadrilha...

Se quiseres assitir à Cena I, tens o caminho livre rsss.

Conhecendo-te de outras "paisagens" e admirando o teu blog, será um prazer "ver-te" por lá...

A.J.Faria disse...

Tmara!
Este poema de Drummond, é de uma riquesa inigualável!
Só pode criar, quem tem algo para dar!
Gostei muito.
Beijinho grande, e vá aparecendo!

Raquel V. disse...

Eu por vezes sinto-me uma naba... mas a mim deu-me foi uma imensa vontade de rir :D

Raquel V. disse...

PS: Já se entra bem!!!

zazie disse...

olá, bom resto de semana para ti também ";O)