01 março 2006

Quantas vezes?


Quantas vezes?

quantas vezes pode
um humano coração
partir-se?

quantas vezes?

quantas vezes pode
o humano coração
reconstruir-se?

e de cada vez
que se parte
e de nós se aparta,
voadores estilhaços,
que partes
a nós retornam?

11 comentários:

lena disse...

Tmara tocaste-me com este poema, quantas vezes já parti o coração, muitos pedacinhos dele não voltaram, resta sempre força interior que ele tem e penso que se vai reconstruindo

adoro-te por seres assim, linda

beijinhos meus

Caiê disse...

Infinitas vezes, Tmara, incontáveis vezes. Felizmente, o poder de regeneração também é incontável...

AmigaTeatro disse...

Tmara :)*

Jorge Moreira disse...

Que profundo sentir poético... Retornam?
Beijinhos,

Mac Adriano disse...

Este poema é uma interrogação retórica. Não tem resposta.

Ana disse...

O humano coração tem infindáveis capacidades de regeneração. Retornando os estilhaços, ou não.
A tua forma de o mostrar é a poesia que em ti habita.
Um beijo, TMara.

Rubens da Cunha disse...

passando para um oi, lindo o poema, olho para o relogio, aqui ainda é hoje, aí já amanhã.
deliro. vou dormir :)
beijo
rubens

Micas disse...

O humano coração tem capacidades incontáveis de regeneração. Os estilhaços, somos nós que os recolhemos e voltamos a "colar"...
Goste de te ler TMara.
Beijo de Luz :)

Mendes Ferreira disse...

tantas vezes....Doç....! vezes demais. e a todas elas respondemos que nunca mais.


beijo-te.

Teresa David disse...

Acho que as vezes que forem necessárias até o aramarmos para já não correr esse risco!
Beijos
Teresa David

Anna^ disse...

Muito.muito bonito!!