15 março 2006

Nós, humanos


«Quando aprendemos a amar e a cuidar de nós, não seremos fonte do mal para ninguém.»Hay, Louise L.(2004). O Poder Está Dentro de Si. Cascais: Editora Pergaminho (52)

Devemos aceitarmo-nos tal qual somos, com qualidades e defeitos - o que não quer dizer que os não tentemos eliminar.
Se, por exemplo, formos muito críticos atraímos a crítica sobre nós, pois as leis do universo devolvem-nos sempre aquilo que damos, seja em actos, palavras ou pensamentos.

No fundo é bom que tenhamos bem presente que somos o nosso próprio reflexo e quando vemos algo nos outros é porque esse “algo” está em nós.

No fundo, ao não aprendermos a amarmo-nos gera-se culpa – ainda que num nível não consciente – e ela actua procurando redenção pelo castigo se não sairmos desse padrão.
Somos os nossos próprios algozes.

A beleza, justiça e honestidade da vida reside aqui: tudo o que damos na vida é-nos devolvido!

É a lei da causa e do efeito a funcionar.

Um ponto de partida é reconhecer quem somos, como somos, aceitarmos e amar-mo-nos.
Lembrar que tudo o que nos acontece na vida começou em nós, de nós saiu e o universo está meramente devolvendo.
Procurar a culpa fora é comum.
É necessário olhar para dentro e aceitar a responsabilidade pelas experiências que vivenciamos, pois num momento anterior, gostemos ou não do facto, fomos os seus causadores.
Agora a vida só nos está devolvendo o que, em qualquer momento do percurso fizemos, desencadeamos.


13 comentários:

ricardo disse...

aplaudo e assino por baixo.

beijo

BlueShell disse...

Bonito e inportante pera reflexão. temos de nos conhecer e enveredar pelo caminho do amor!
Hoje estou cansadita: trabalhei demais

Jinhuusss
BShell

Amaral disse...

Isso e não só. A lei da causa e efeito é universal. Para além desta vida, a evolução continua. A acção e a reacção. Não esqueçamos a essência, o conhecimento, a mente subconsciente. Se a acção está no pensamento, o sentimento devolve-nos sempre a resposta. Por isso, a aceitação daquilo que somos, o seu reconhecimento, permite-nos que, em consciência, queiramos recriar, queiramos contribuir para o Processo...

Caiê disse...

E, no entanto, o amor-próprio é um amor difícil para muitos...

batista filho disse...

Quão difícil... e necessário! - conhecer a si mesmo... Quanto caminho a percorrer no processo evolutivo.

online disse...

Tubo de ensaio...
Lei da causa efeito:)))

Eu tb aceito o que sou...Temos outra escolha?

O beijo:)

Daniela Mann disse...

Um excelente texto que nos leva a reflectir!
A continuação de um dia feliz,
Daniela

Luís Monteiro da Cunha disse...

Como um espelho... assim é a propriedade reflectiva da vida... em quase todos os momentos, conforme te sentires frente a este assim será a imagem que projectas de ti própria...

clotilde disse...

Não me conheço. Quando olho o meu reflexo no espelho não sei quem sou, é apenas uma imagem fria, por mais que a tente tocar só algumas partes são sensiveis. Queria ver a imagem do espelho reflectida em mim, parra saber se era igual.
Qual delas será a vazia?
Não tenho boa imagem de mim, portanto o reflexo do espelho em mim só poderia ser medonho, tal qual o sol reflectindo-se num espelho que está no meio de uma lixeira.


Já estou cheia de sono, nem sei bem o que escrevo.
Resta-me desejar uma boa noite.
Passa lá no meu sótão, serás bem vindo, pode ser que ainda te ofereça chá com scones.

Beijinho

A.J.Faria disse...

Olá, Tmara
Interessante reflexão, embora não ter a capacidade para aceitar a crítica poderá ser sinónimo de não acitar a visão do outro.
O que seria muito redutor em termos de relacionamento e revelador de aulguma imaturidade.
Bjs,

Jorge Moreira disse...

Olá Amiga!
Subscrevo!
Beijinhos e Bom fim de semana.

Desambientado disse...

Sem autoestima não iremos longe. Ninguém melhor do que nós próprios fará uma avaliação efectivamente conhecedora de nós mesmos.

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. » »