05 agosto 2005

Congresso dos 75 anos de A Selva

Notas sobre o CONGRESSO, 75 ANOS DE, A SELVA

Para quem não saiba, A Selva, de Ferreira de Castro, teve já 39 edições e encontra-se traduzida em várias línguas, com a maior amplitude que um autor português logrou.

É facto que o que lançou este autor e a sua obra a nível internacional, foi a tradução deste livro para o alemão. Daí ganhou o mundo.

Presentes vários académicos nacionais e estrangeiros com forte peso de brasileiros, nacionais de Manaus.
Impressiona ver a importância e o carinho que os amazonenses dedicam a Ferreira de Castro. Foi ele quem colocou aquela região nas bocas e sob os olhares do mundo.

Em Manaus há uma estátua do autor e o percurso no seringal faz parte dos percursos turísticos e de estudo das crianças e jovens da cidade, incluindo a viagem de barco.

Connosco, no primeiro dia, esteve o Secretário de Estado da Cultura do Estado da Amazónia, que nos brindou com uma belíssima e pedagógica intervenção sobre Manaus à época da passagem de Ferreira de Castro, ilustrada com fotos da época.
Ao despedir-se ofereceu, para ser sorteada entre os presentes, uma viagem (tudo pago) à Amazónia. A feliz contemplada foi uma das dirigentes do centro de Estudos Ferreira de Castro.

As comunicações foram de alto nível o que, apesar do elevado número destas (em norma eram 4 da parte da manhã e 7 da parte da tarde) facilitou o seguimento dos trabalhos.
Numa sala ao lado estavam, em visionamento contínuo, os dois filmes realizados sobre esta obra.
A primeira versão realizada por Márcio de Sousa, escritor e realizador cinematográfico, que foi uma presença sempre agradável tanto nos debates como nos convívios.
A segunda, produzida por Óscar Cruz e realizada por Leonel Vieira, contou com a presença e intervenção do produtor numa mesa redonda, bem animada e participada.
Não creio que este seja o espaço para elencar os nomes dos conferencistas, todos eles de primeira água e que souberam, nas suas abordagens à obra, deliciar-nos apresentando, simultaneamente, trabalhos cientificamente rigorosos.

Quero, no entanto, destacar a intervenção do Prof. doutor Bernard Emery (docente da Universidade Stendhal – Grenoble), o maior cientista internacional sobre a obra deste autor.
Analisando a 1ª tradução para o francês (pelo escritor Blaise Cendrars) brindou-nos com um bem fundamentado, delicioso e irónico trabalho, apontando erros totais que transformaram a tradução num livro diferente, concluindo que os franceses que o leram nunca leram A SELVA.


P.S - o meu obrigada, como congressista, á direcção do Centro de Estudos Ferreira de Castro (dos quais destaco o Dr. Filipe Ferreira, incansável homem de acção responsável pela organização e logística) e o Prof doutor Pedro Calheiros, da Universidade de Aveiro, coordenador científico do Congresso)

8 comentários:

O Micróbio disse...

I'm back! :-)

meialua disse...

obrigada pelas palavras no meu cantinho na minha ausencia...

Devagarinho e em recuperaçao, vim dizer que estou +/- de volta...
Beijos grandes*

Mendes Ferreira disse...

olá, dou por mim a "gostar" mt do que e como "critica". obrigado. sinceramente.beijo.

Fernando B. disse...

Congratulo-me com esses momentos vividos e ao mesmo tempo lamento, que aqui em Portugal, Ferreira de Castro e tantos outros, não sejam divulgados e estudados como merecem.

Fraternos Beijos,

tania disse...

Muito bom aqui. Voltarei. Agradeço sua visita tb.

Ana disse...

Vim só deixar-te um abraço.
Obrigada pelo apoio.

titas disse...

bem que gostaria de lá ter estado!"!!!
como entrar? levavas-me numa mala (dizendo que, a seguir, partias de viagem).

//(~_~)\\ um beijo da Titas

Afrodite disse...

e a mim, leva-me-ias com 'a sectretária da Sra. Congressista'
Gostaria deveras de lá ter estado.
§(~_~)§ beijo da Afrodite