12 agosto 2006

RAZÕES DE UM INCENDIÁRIO



Tinha 35 anos, o homem.

Jovem portanto. E saudável.

No apogeu da força, física e psíquica morria de tédio.

Não sabia o que fazer com toda a sua vitalidade.

A sua energia tolhia-o.

Prendia-o com amarras de aço sob a forma de tédio.

Sentava-se nos cafés, nas praças, olhando sem ver.

Nada ouvindo ou escutando. E o tédio crescia.

Forte. Poderoso. Esmagador. Viril.

E como toda a virilidade, querendo jorrar.

Começou a atear fogos enquanto observava os esforços hercúleos dos bombeiros par apagarem os que lavravam.

Afinal era tão simples sentir-se vivo, destruir o tédio.

Bastava destruir e destruir-se.

O fogo, a morte, eram forças libertadoras do tédio. Para o tédio.

O tédio ardeu. Como as chamas que ateou.

Espalhou-se.

Propagou-se a todo um país que ardeu e morreu. Adormecido.

De tédio. De auto-destruição.

Nota bene – a partir de notícia no J.N de 2006.08.09

8 comentários:

Teresa David disse...

Gostei bastante do texto tão apropriado para esta País anualmente a arder, mas tb repleto de pessoas que não têem motivações de vida mais abranjentes do que as primárias, o que as leva a "atear fogos", que por vezes não são só nas florestas mas também por todo o lado onde passam.
Beijos
Teresa David

Francisco Sobreira disse...

Querida Conceição. Bom texto, bem escrito, vigoroso. Um beijo afetuoso e um ótimo fim de semana.

André Ferreira disse...

O abandono a que o interior do pais assiste cria esses loucos e florestas descuidadas pela falta de manuntenção e que facilmente ardem...

MARTA disse...

Loucura ou uma outra forma de encontrar luz? De se tornar notado, pois a solidão é muito pesada? Infelizes? Texto bastante poderoso a chamar atenção para um problema muito profundo
Chego com a lua do luar, já sem lágrimas, porque alguém me quis ver sorrir e conseguiu.
Brindemos a isso e também gostei de a conhecer.
Espero encontrar-me consigo mais vezes para falar da luz do luar ou celebrar qualquer coisa que encha os nossos corações.
Beijos e abraços
Marta

Mikas disse...

Se cada vez que sinto tédio me pusesse a incenciar coisas... Não terá pó em casa para limpar??

Alex Flôr Negra disse...

Infelismente parece que no nosso país anda para aí muita gente a morrer de tédio...
Não seria mais saudavel procurar um especialista para esses casos em vez de andarem praí a destruirem a fauna florestal que tanta falta nos faz?
*

Anónimo disse...

Há um negócio de milhões de euros de quem faz arder a floresta,falta a coragem de punir exemplarmente os responsáveis e de de fazer com que o crime não compense!!
Depois há os indivíduos perturbados,os ignorantes,os incautos e os inclassificados-todos os dias vejo gente atirar beatas de cigarros pela janela doas carros!!...
Bem,eu vou terminar,não sou mais iluminada que ninguém mas fico "doente"com esta abordagem que se faz de uma questão grave e RECORRENTE,os incêndios!!!!
um abraço
M

peciscas disse...

São muito complexas as margens da vida...