23 setembro 2008

diz-me...


diz-me, porque estás aí sentado com esse olhar perdido e amortecido num imenso distanciamento? porque não vens comungar deste erodido e avassalador sentimento. esta fusão de mar, céu e azul em mim feitos tempestade?

porque te não moves, nada dizes, e te transformas no farol que necessito?a envolvente sombra que me esmaga transformada em inultrapassável degrau. moves-te. a esperança, ténue linha momentâneo sol, desfaz-se em mim. como o chocolate que tiras da caixa e metes na boca _______________olha para mim………..
______________________________inicia a viagem a dois para que a vida nos deu licença.
________ quando te conheci trazias flores nos braços. ou eram os teus braços as flores?________sentia-me criança perdida. irreal silhueta sem substância peso ou conteúdo. gota de orvalho sem poiso. pena no meio de devastador torvelinho _____________________________
___________a vulnerabilidade da morte atingira-me sem qualquer obstrução
na exponente manhã em que sentia a bela tapeçaria da vida a esboroar-se, a afastar-se. delida. sem possível conserto.
foste o anjo-da-guarda conselheiro que me trouxe de volta. mas agora estás aí. a comer chocolates ______________ quedo _____________mudo….enquanto a loucura assente em velhas raízes e lodo começa a emergir e num sobressalto me retira toda a água do corpo _________figura de cal.
na interminável busca de mim começo a vasculhar-me. e tu, aí! quieto ______________ calado e mudo ___________________saboreias os chocolates que retiras da caixa...
penso num método para me fazer ouvir… me tornar visível _________________________com olhos de cal procuro-me e vejo o que de mim resta. um cotovelo onde uma branca rosácea alastra ___________________________não há conversa ______________movimento _______ variável alguma que te faça abandonar o ostracismo em que vives? ou o ostracismo a que me votaste…?
não sei… construíste um casulo como se fosses único habitante de inexistente país. não há vapor que o amoleça queime e destrua. só talvez algum que do inferno ascenda directo ________________ até ti ___________________________vertical

nefelibata não de sonhos mas de pesadelos…

antes eram os teus braços___________ os teus braços eram as flores que recordo ___________________________ deixo-me inundar pelas memórias dos teus olhos brilhando na noite __________farol e luar.
Podes ler mais no Eremitério

10 comentários:

Paula Raposo disse...

Está fantástico o teu texto poema...belíssimo! Se calhar também vou colocar o meu das 60 palavras num dos blogs. Uma boa ideia! Beijinhos.

jorge vicente disse...

farol e lua de sonhos

o eterno poema no ermitério da noite.

um grande abraço
jorge

Beatriz disse...

Reencontrei teu blog através de um email que me enviaste, pois havia perdido muitos dados quando da pane sofrida pelo meu PC.

Belíssimo texto neste jogo de palavras, bem como continua a me encantar os teus escritos.

Com calma quero visitar teus outros espaços.

Fica um ramalhete de violetas azuis enfeitando tuas horas e um beijo no coração.

Bichodeconta disse...

Parabéns, magnifico texto onde a prosa anda de braço dado com a poesia no seu todo..

Justine disse...

Excelente, o teu jogo de palavras!
Parabéns:))

Benó disse...

Gostei muito desta tua participação. Tem qualquer coisa de poema épico e ao mesmo tempo suplicante e triste.

Bom fim de semana e

Sê Feliz!

Elsa Sequeira disse...

oLÁ!!
Excelente texto!!
Vim agradecer as tuas palavras no meu Mares d'Alma!
Obrigado pela visita!!!
Vai aParecendo porque vai haver muitas novidades sobre o meu livro!!!

Bjtsss

Raquel V. disse...

São escritos assim que me mostram o que ainda tenho para aprender...

Fez-me recordar uma visita de estudo, miúda, a uma fábrica de vidro e azulejos, ainda feitos à mão, em que eu disse: "tão fácil!" ao ver aquelas mãos hábeis mover-se no azulejo.
Ela passou-me um para a mão e disse: então faz. Não consegui (senti-me tão exposta e triste). Não a quisera magoar mas a verdade é ela me ensinou uma lição que nunca esqueci.

Anónimo disse...

mas isto é bom???!!! quem o afirma??? quem anda enganado??? quem anda a enganar???

TMara disse...

Anónimo:
k pena!
Não k não goste. é um drtº e...uma opinião! Só isso.
K pena k não dê a cara.