20 março 2008


como um rio que demanda
o alfa e o ómega
turbulentas
correm as águas -

não as contém as margens
pois limites não conhecem

nem aceitam -

toda a busca
é perpétua e sagrada

só o fogo de teus olhos
desvenda
o lugar de todas as respostas
e as aquieta

9 comentários:

Lumife disse...

Este rio é uma Mulher super activa que "vai a todas" como é hábito dizer-se...

Boa Páscoa para ti, amiga-quase parente... e para tua Família.


Beijos

Teresa David disse...

Muito belo o teu poema. Gostei sinceramente.
Bjs
TD

Luís Filipe C.T.Coutinho disse...

Nem todas as respostas possuem um corpo, por vezes sao apenas restos de dúvida...


beijos

Templo do Giraldo disse...

Passei por aqui para te desejar uma boa pascoa e muitas amendoas.

Tudo de bom.

Um abraço do templo.

Francisco Sobreira disse...

"Crida" Amiga,
Confesso que fiquei na dúvida: é um poema só, ou são dois? De todo modo, os versos são inspirados e constituem mais uma bonita criação sua. Beijos.

Parvinha da Silva disse...

francamente bonito.

Boa Páscoa, minha amiga

eremita disse...

olá amiga. Vim encontrar um belo poema. e deixo-lhe um desafio lá no Eremitério. Conto contigo.
Fraterno abraço

Daniel Aladiah disse...

Pois sim, Tmara... nem tudo o que dói é imaginação, mas muito do que imaginamos acaba por teres as suas dores... Não sei porque digo isto... acontece.
Um beijo
Daniel

jorge vicente disse...

belo poema, tmara.

um grande abraço
jorge vicente